Síndrome do Pânico ou Ansiedade?

Atualizado: Jan 18

Você sabe identificar qual dos dois pode estar sentindo? Aprenda a identificar:


Síndrome do Pânico:


É um tipo de distúrbio/transtorno ligado à ansiedade e tem as seguintes características:


  • Crise intensa e súbita:


No pânico, as crises ansiosas são muito intensas e podem acontecer em qualquer lugar, inclusive dentro de casa ou enquanto a pessoa dorme. Elas não tem um motivo específico para ocorrer, não existe um evento desencadeador do ataque do pânico.


A sensação é de um medo intenso e um mal-estar que pode estar acompanhado de sintomas físicos e mentais.


As crises podem durar de 10 a 20 minutos, mas alguns sintomas podem continuar sendo sentidos após a crise passar .


  • Sensação de que algo ruim está acontecendo:


Durante uma ataque de pânico, a pessoa sente que existe um perigo iminente. A pessoa acaba abrindo mão de realizar atividades ou estar no ambiente em que a crise ocorreu.


Todavia, o local ou a atividade que a pessoa estava realizando não tem, necessariamente, ligação com o ataque de pânico.


Isso pode levar a pessoa a restringir cada vez mais os locais que frequenta e as atividades que desenvolve, podem causa isolamento completo.


Mas como as atividades e situações onde a pessoa teve a crise pode não ter relação direta com essas sensações e sentimentos, os ataques podem passar a ocorrer em vários locais distintos e em várias situações.


  • Medo súbito de morrer, enlouquecer ou adoecer:


Durante um ataque de pânico, os sintomas físicos são tão intensos que a pessoa acredita que está tendo um ataque cardíaco, AVC ou que está enlouquecendo e perdendo o controle da mente.


  • Repetição das crises de pânico:


A análise das repetições das crises é fundamental para caracterizar o transtorno do pânico. Ou seja, se elas ocorrem frequentemente em um determinado período de tempo. Além dos outros critérios acima.


Sintomas da Síndrome do Pânico


  • Palpitação, coração pulsando forte ou acelerado;

  • Suor; Tremores; Falta de ar; Sensação de desmaio;

  • Náusea ou desconforto abdominal;

  • Formigamentos;

  • Dor ou desconforto no peito;

  • Calafrios e sensação de calor;

  • Sentimentos de irrealidade;

  • Despersonalização (sentir-se fora de si mesmo);

  • Medo de perder o controle ou enlouquecer;

  • Medo de morrer.


Ansiedade


  • Crise crescente:


Na ansiedade, a crise ansiosa vai se intensificando aos poucos e é constante ao longo do dia, com variação de intensidade.


  • Sensação de alerta para algo que pode vir a acontecer:


A ansiedade é um constante "E se...". O ansioso imagina vários cenários negativos que poderiam vir a acontecer com ele, sem, muitas vezes, um perigo real ou exista probabilidade

de que realmente aquilo vá acontecer.


  • Relação com o estresse:


Um dia a dia estressante, com um nível de cobrança alto imposto por si mesmo ou por terceiros pode desencadear a ansiedade.


Isso também significa que ambientes e situações onde ocorra muita pressão/estresse podem causar ansiedade, como: trabalho, estudar para pré-vestibular, faculdade, morte de um ente querido e etc.


Situações familiares e sociais também podem influenciar, como problemas financeiros, desemprego e problemas nos relacionamentos.


Além disso, tem forte relação com traumas de infância e abuso de substâncias estimulantes, como café e cocaína.


  • Genética:


Pessoas que possuem familiares com transtorno de ansiedade, tem mais chances de serem ansiosas.


Sintomas da Ansiedade


  • Preocupações e medos excessivos;

  • Visão irreal de problemas;

  • Inquietação ou sensação de estar sempre “nervoso”;

  • Irritabilidade;

  • Tensão muscular;

  • Dores de cabeça;

  • Sudorese;

  • Dificuldade em manter a concentração;

  • Náuseas ou queimação no estômago;

  • Necessidade de ir ao banheiro com frequência;

  • Fadiga e sensação de cansaço constante;

  • Dificuldade para dormir ou manter-se acordado;

  • Surgimento de tremores e espasmos.


Diagnóstico da Ansiedade e Síndrome do Pânico


O diagnóstico deve ser realizado por um profissional psicólogo ou psiquiatra, que irá avaliar o relato do paciente, identificar se existe causa específica, qual a intensidade e frequência dos sintomas, há quanto tempo persistem e quais os prejuízos e limitações que ele causa na vida do paciente.


Tratamento da Ansiedade e da Síndrome do Pânico


A combinação de psicoterapia e medicamento tem se mostrado extremamente eficaz no tratamento da ansiedade e da Síndrome do Pânico.


A Psicoterapia é um processo muito recomendado e que existem diversos estudos clínicos com resultados positivos, seja com a inclusão de tratamento medicamentoso ou não.


Além disso, na psicoterapia o paciente aprenderá a identificar os pensamentos negativos e disfuncionais que desencadeiam a ansiedade e aprenderá a tratar as preocupações e angústias de forma mais adaptada e realista.


Outras técnicas como relaxamento e atenção presente podem ajudar o paciente a lidar com os sintomas da ansiedade e pânico.


O objetivo da terapia é que o paciente desenvolva habilidades e técnicas para se tornar capaz de trabalhar a ansiedade fora da terapia e consiga ter mais autonomia e criatividade para lidar com a ansiedade e com o pânico, podendo alcançar a "cura".




3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Me siga nas redes sociais!

  • SoundCloud ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram

© 2020 por Tayrini Martins de Oliveira

 Política de Privacidade e Termos de Uso

ícone - WhatsApp